Mudança radical

Não consigo pensar em nenhuma mudança mais extrema do que a troca de identidade sexual. No cinema, o tema já foi explorado diversas vezes. Um exemplo que está atualmente em cartaz é Tomboy (2011), dirigido e escrito pela francesa Céline Sciamma. O filme tem uma abordagem incomum, pois sua personagem principal é uma menina de apenas dez anos.

O corte de cabelo e as roupas dão à Laure (Zoé Héran) uma aparência masculina. Quando ela vai morar em outro bairro, a nova vizinha Lisa (Jeanne Disson) pensa que Laure é um garoto. A protagonista assume, então, o nome Mickäel. Mesmo que nesse processo não tenha havido uma cirurgia definitiva, a transformação é radical.

Céline Sciamma tem o cuidado de tratar da sexualidade na infância de forma delicada. Dessa maneira, evita-se a possível rejeição do espectador. O trabalho da cineasta ainda agradou a crítica. A produção foi inclusive a última vencedora do prêmio Teddy, competição do Festival de Berlim voltada a obras com temática gay.

Mais um destaque é a atuação de Zoé Héran. Seu papel seria complicado até para artistas experientes, mas Zoé encara o desafio como se fosse gente grande. Malonn Lévana é outra atriz mirim que merece elogios. Ela interpreta Jeanne, a irmã caçula de Laure.

O principal assunto do Tomboy também aparece como a questão central de Meninos não choram (1999). Ao chegar à Falls City, pequena cidade de Nebraska, Teena Brandon (Hilary Swank) se passa por um jovem rapaz – Brandon Teena. A princípio, a nova identidade não traz problemas. Brandon faz amigos, se apaixona por Lana (Chloë Sevigny) e é correspondido. Porém, a situação se complica quando a verdade vem à tona.

O enredo, que é baseado em fatos reais, mostra como a intolerância sexual permanece forte na sociedade. Quando Brandon é desmascarado, a violência é deflagrada em Falls City. Em sua estreia em longa-metragem, a diretora e roteirista Kimberly Peirce tem o mérito de alertar para esse tipo de preconceito.

É impossível falar sobre Meninos não choram sem mencionar o desempenho da Hilary Swank. Tal atuação lhe rendeu um Oscar em 2000. Para mim, esta continua sendo a melhor performance da carreira da atriz. Por isso, o filme é uma boa pedida para quem deseja ver uma ótima interpretação.

4 thoughts on “Mudança radical

  1. Lu, adorei a resenha e fiquei super curiosa em ver o filme! Sou suspeita para falar porque adoro um drama, mas confesso que não conhecia esta cineasta francesa Céline Sciamma! Valeu pela superdica. Bjs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s