LISBETH SALANDER: Os homens não a amam, e ela reage

Adaptado do primeiro livro da trilogia literária Millennium do autor sueco Stieg Larsson, Os Homens que Não Amavam as Mulheres marcou o retorno do diretor David Fincher ao suspense. Agora que o filme finalmente chega às lojas, vale a pena rever e prestar atenção na polêmica protagonista feminina da história.

Na história, o jornalista Mikael Blomkvist (vivido por Daniel Craig) se mete numa enrascada. Uma denúncia infundada se volta contra ele, e sua carreira entra em risco. Para desaparecer da mídia por um tempo, ele aceita uma proposta intrigante: viajar para uma ilha e investigar um crime ocorrido em 1966 – o desaparecimento de Harriet Vanger.

Quanto mais ele conhece a historia da família Vanger e se aproxima da solução do mistério, mais a vida de Mikael passa a correr perigo. A única pessoa que pode ajuda-lo é a hacker profissional Lisbeth Salander (Rooney Mara). Lisbeth é uma figura completamente singular. Não tem nenhuma habilidade social, não parece gostar de ninguém, é coberta de peircings e tatuagens e experimentou um histórico de abusos em sua vida.

A história desvendada por Mikael e Lisbeth tem a violência contra a mulher como componente básico. Na verdade, se existe um “tema” para o filme é este, e não está presente apenas na trama, mas também na própria caracterização da protagonista feminina.

O cotidiano dela é uma série de internações e prisões. O oficial de justiça, supervisor do caso dela, a chantageia e posteriormente a estupra. Essa experiência, para ela, é só mais um sofrimento de vários em sua vida, mesmo que para nós, espectadores, seja chocante. Então percebemos que a personagem tira sua força das violências e privações que experimenta. Ao invés de se tornar uma vítima, ela revida sem piedade quando atacada.

Assim, o filme acaba expondo a mudança pela qual passou o papel da mulher dentro do gênero suspense, onde elas quase sempre são as vítimas. Hoje, a plateia espera figuras femininas fortes, e é curioso que ainda existam poucas. É possível revidar e ser tão forte quanto o homem. De fato, após Mikael e Lisbeth se encontrarem depois de mais de uma hora de filme, quando então resolvem unir esforços, ela salva a pele do protagonista masculino. Não deixa de ser irônico ver Craig, acostumado aos papéis de herói, ser resgatado pela “mocinha”.

O roteiro faz de Lisbeth uma personagem complexa. Suas tatuagens e piercings revelam suas tendências masoquistas. Nem sua sexualidade é definida: ela é lésbica? Bissexual? Chega mesmo a se apaixonar por Blomkvist? A atuação sempre forte de Rooney Mara (descoberta por Fincher no seu filme anterior, A Rede Social) faz jus à complexidade do papel e a torna uma pessoa real. Merecidamente foi indicada ao Oscar pela atuação. Claro que muito da força da personagem vem da sua fonte literária, entretanto isso não tira o mérito desta poderosa interpretação cinematográfica.

Numa história em que tantas mulheres são torturadas e mortas, Lisbeth demonstra que elas também podem ser poderosas. Essa personagem não fica com o príncipe encantado – e nem precisa dele. Ao final temos a sensação de que ela gostaria que sua vida fosse diferente, mas não é, e ela não se lamenta por isso. Sua luta, ao lado de Mikael, é a luta por justiça para todas as mulheres da trama. Mas ela não quer só justiça, quer algo a mais… Ela é a representante máxima de uma nova tendência para as personagens femininas, especialmente neste tipo de filme. Com ela, não se brinca.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s