O Hobbit

“Em um buraco no chão vivia um hobbit”

O Hobbit (Editoria WMF Martins Fontes) é uma lembrança distante para mim, mas nem por isso pouco marcante. Uma vez no mundo de Tolkien e você nunca esquecerá. Li a história de Bilbo Bolseiro, um morador do Condado que é convocado a deixar o conforto da sua casa para participar de uma grande aventura, há cerca de dez anos, pouco depois de devorar a trilogia de O Senhor dos Anéis. Assim como muitos espectadores farão após o lançamento da adaptação cinematográfica do livro, eu não segui a ordem cronológica dos fatos.

Lançado há exatos 75 anos, no dia 21 de setembro de 1937, O Hobbit se passa antes da história de O Senhor dos Anéis. Bilbo Bolseiro, um respeitado e pacato hobbit do Condado, é convencido por Gandalf, um mago, a partir com 13 anões para libertar o reino de Erebor, conquistado há tempos pelo dragão Smaug e que antes pertencia aos anões. É nesta jornada que Bilbo encontra Gollum e O anel, e quando conhecemos trolls, goblins, elfos e humanos, além de percorrer pela primeira vez a Terra Média. O Hobbit é um livro infantil, mas não um livro infantil qualquer. J.R.Tolkien oferece ao leitor um universo muito bem estruturado, com uma narrativa agradável, feita para ser lida antes de dormir. A temida narrativa arrastada por causa da descrição minuciosa é mais dinâmica em O Hobbit, onde o enfoque é maior na ação.

Glóin, pai de Gimli, que fez parte da Sociedade do Anel

Para mim, uma das principais mensagens de O Hobbit e O Senhor dos Anéis é o crescimento. Todos nós, em algum momento da vida, temos que sair do conforto das nossas casas e enfrentar desafios fora da nossa zona de conforto. Em O Hobbit, o processo de amadurecimento de Bilbo é transmitido através da narrativa, que trata de um mundo e de temas adultos, mas vistos com olhos de uma criança. Bilbo explica para Frodo no inicío de O Senhor dos Anéis:

“É um negócio perigoso Frodo, sair da sua porta.

Você pisa na estrada e, se não controlar os seus pés,

nunca saberá até onde será levado”.

Lembro da expectativa que sentia a cada lançamento dos filmes de O Senhor dos Anéis e como sempre saia extasiada do cinema. Não consigo imaginar a adaptação feita por ninguém menos que Peter Jackson, por isso fiquei muito feliz quando Guilhermo Del Toro abandonou o projeto. Não que ele não fosse capaz de fazer a adaptação, mas poucos diretores teriam o respeito pela obra que Jackson demonstra.

Peter Jackson (diretor) e Martin Freeman (Bilbo Bolseiro)

O Hobbit será dividido em três partes, que serão lançadas nos dias 14 de dezembro de 2012, 13 de dezembro de 2013 e 18 de julho de 2014. Fiquem com o trailer, divulgado ontem por Peter Jackson:

Para quem ainda não tem o livro, em novembro, a WMF vai publicar o guia ilustrado e edição especial com a capa do primeiro filme, “Uma Jornada Inesperada”. Para 2013 está prevista edição de luxo com 10 mil cópias – mesma tiragem da edição de luxo de “O Senhor dos Aneis”, que, quando lançada pela editora “irmã” da WMF, a Martins, esgotou-se em um mês.

Anúncios

One thought on “O Hobbit

  1. Pingback: A Aventura de Frodo Bolseiro « 7 em 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s