Somos Tão Jovens

somos tão jovens1Somos Tão Jovens, a cinebiografia do cantor e poeta Renato Russo, fundador da banda Legião Urbana, tem alguns traços em comum com outra cinebiografia recente do cinema nacional, Cazuza: O Tempo Não Para (2004). Ambos são conduzidos principalmente pelas atuações impecáveis dos seus atores principais – Thiago Mendonça e Daniel de Oliveira, respectivamente. E ambos os filmes terminam sendo retratos competentes, embora superficiais, dessas duas figuras importantíssimas da história do rock brasileiro.

renatorussoA história de Somos Tão Jovens cobre o final dos anos 70 e início dos anos 80, quando Renato Manfredini Júnior (Mendonça) era um jovem brasiliense de classe média, fascinado pelo rock and roll, especialmente o punk rock recém-surgido na Inglaterra. Inspirado pelo Sex Pistols, ele adota o nome artístico de Renato Russo, e o filme mostra seus primeiros passos na cena roqueira emergente de Brasília. Era uma época em que os filhos de diplomatas, embaixadores e figurões do governo tiveram contato com a música feita lá fora e passaram a querer trazer aquela atitude e aquele estilo musical para o Brasil. O filme engloba a formação da primeira banda de Renato Russo, o Aborto Elétrico, bem como as idas e vindas do grupo; além de os primeiros anos da carreira do Legião Urbana.

Uma grande qualidade do filme é a capacidade de recuperar o espírito daquela época. Sendo um filme sobre jovens, o diretor Antonio Carlos da Fontoura adota uma abordagem bem livre: a montagem é ágil, a câmera na mão acompanha os personagens em vários momentos e o longa até faz uso de filmagens em super 8, incluídas em algumas apresentações musicais. Isso dá a Somos Tão Jovens uma energia realmente jovem e dinâmica.

Mas, sem dúvida, a maior qualidade do projeto é a ótima interpretação de Thiago Mendonça. No filme, Renato Russo é caracterizado como um rapaz à procura de sua identidade, inconstante e até mesmo melodramático, ainda se descobrindo. Mendonça, no papel, é carismático e até divertido – além disso, ele toca e canta no filme, com um timbre semelhante ao do cantor verdadeiro. As demais atuações também são convincentes, com destaque para Ibsen Perúcci, como Dinho Ouro Preto; e Edu Morais, como Herbert Vianna – ambos interpretam à perfeição tais astros do rock brasileiro.

somostaojovens_6Embora o roteiro mostre Renato descobrindo a própria homossexualidade, o coração da narrativa é o relacionamento dele com sua amiga Ana (Laila Zaid). E aí reside um dos grandes problemas do filme: essa relação é pouco desenvolvida e não consegue sustentar a história, apesar do bom desempenho dos atores. Como resultado, a narrativa nunca realmente ganha força, até chegar a uma conclusão súbita – o filme simplesmente se encerra, com o Legião Urbana prestes a alcançar o sucesso nacional, sem que haja um encerramento de fato para o longa.

Somos Tão Jovens nunca chega realmente a mostrar como Renato Manfredini se tornou Russo, o ícone de uma geração. Os espectadores que buscam uma visão aprofundada da personalidade do artista, ou descobrir o quê o motivava, não encontrarão essas respostas no filme. Com sua energia, o longa é divertido, especialmente na sua primeira metade e, graças a Thiago Mendonça, até envolvente em alguns momentos. Mas o biografado merecia uma obra mais aprofundada e forte.

Somos-Tao-Jovens-poster-26Mar2013Ficha Técnica:

Título: Somos Tão Jovens

Dirigido por: Antonio Carlos da Fontoura

Gênero: Drama/Biografia

Ano: 2013

Nacionalidade: Brasil

Cotação: ★★★  Bom

Ivanildo - assinatura PNG

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s