Gastronomia: Quando o homem é o chef e a mulher a cozinheira

por Daniela Novo

Ferran Adrià

Você já reparou alguma vez na vida que o homem é sempre visto como o chef de cozinha e a mulher como a cozinheira? É óbvio que um chef é um cozinheiro, seja homem ou mulher. Socialmente, determinamos que o homem é o chef e a mulher a cozinheira porque é um hábito cultural.

Alguns exemplos: a dona Benta representada no livro O Sítio do Picapau Amarelo de Monteiro Lobato, o programa televisivo Cozinha Maravilhosa da Ofélia e a popular amiguinha Palmirinha (Palmira Onofre). Além de e tantas outras donas de casa e/ou empregadas domésticas que no senso comum são vistas como cozinheiras. Quando nomeamos alguém estamos dando um significado, só que chef e cozinheira apresentam propostas diferentes.

Claude Troisgros

Pensando bem, a mulher cozinheira está relacionada às tarefas do dia a dia, é a pessoa que lida com o cotidiano, o trivial. Quando chamamos o homem de chef, a ideia já é outra. É aquela pessoa que sai da mesmice e trabalha com ocasiões especiais. O que leva a entender que parece ter mais sofisticação e personalidade. Muito se pergunta – e vira motivo de piada e de discussão – porquê a maioria dos chefs são homens?

Eu não tenho a resposta. Mas é fácil notar que muitos chefs que aparecem na mídia são homens, como o Alex Atala (D.O.M), Ferran Adrià (El Bulli), Claude Troisgrous (Olympe) e Roland Villard (Le Pré Catelan). Esse pode ser um dos ingredientes para despertar a entrada dos homens na Gastronomia.

O D.O.M está entre os cinqüenta melhores restaurantes do mundo. O El Bulli então já foi o melhor do planeta de 2006 a 2010. Mesmo com quatro anos premiados, parou de funcionar este ano no dia 30 de julho porque Adrià quer usar o seu potencial criativo para elaborar inovadores pratos. Apenas em 2013, e com reserva, será possível experimentar as sugestões.

Troisgrous tem avó, pai e tio responsáveis por mudanças significativas na cozinha francesa e o restaurante da família que tem o mesmo nome, na França, também foi premiado com três estrelas do Guia Michelin assim como o El Bulli. O compatriota Villard, desde 1997 no Brasil, chegou a ser eleito diversas vezes o melhor chef do país sendo a última em 2008.

Roland Villard

Pode-se se perceber que a pergunta do início ainda se sustenta. Essa área tem muitos profissionais do sexo masculino. Se bem que a nomeação cozinheira ou chef existe também por causa daquilo que nos foi ensinado. Não se esqueça de voltar no próximo sábado. Até.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s